segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Para Leonardo Boff: o feminino e a política atual


O presente artigo é em resposta ao título quase homônimo publicado pelo teólogo Leonardo Boff (foto) em: http://www.cartamaior.com.br/templates/colunaMostrar.cfm?coluna_id=4822



“O beijo de moça governará o povo”, talho a meu significado a palavra concedida pelo poeta Marcus Minuzzi. De forma inédita no Brasil, duas mulheres protagonizam eleições presidenciais: a verde Marina Silva e a petista Dilma Rousseff. José Serra estanca politicamente nas urnas, mas não se destaca ideologicamente, porque o povo quer que o feminino governe. Serra não tem nada de feminino, por sorte dele, talvez.

Leonardo Boff nos agraciou no apoio político à mulher que elegera a melhor junto a 19% do eleitorado brasileiro, Marina Silva. Neste segundo turno, o quadro não foge muito ao analítico dos Institutos de Pesquisa: José Serra (PSDB) enfrenta Dilma Rousseff (PT). E o querido teólogo, Boff toma partido pelo que talvez seja o ‘menos pior’, optando e justificando-se pelo feminino. A candidata petista será apoiada por este intelectual.

Boff, você, um dos mais femininos dos homens, merece todo crédito para incitar o melhor para as eleições. Aponto, no entanto, com suas palavras: “não se diz que o homem realiza tudo o que comporta o masculino e a mulher tudo o que expressa o feminino” para o que me parece inadequado; a candidata Dilma não expõe nada do esperado feminino. Apesar de caber a colocação denotativamente, o feminino que não está em Dilma é o conotativo que você cita... O da sensibilidade, de interioridade, de espiritualidade. Cita como primeira característica do feminino a profundidade abissal, algo que nunca soou das palavras rasas e mutantes que, mecanicamente, saíram da boca de Dilma até hoje.

Observação: Se Dilma não é tão feminina quanto afirmou a pouco Boff, Serra ainda menos, com certeza. Não defendo qualquer um e nem mesmo a nulidade. Só pondero que, pela primeira vez, creio que o amigo Leonardo exagera em prol de um bom texto.

A única possibilidade, teólogo, de estares correto é se a candidatura de Dilma vier cumprir o que é dito no evangelho: “Não vim trazer a paz, mas a divisão”, pois sabemos que a solução se faz em determinado ápice do mito do fim dos tempos. Lancemos fogo para queimar o pasto e arar a terra para nova, melhor e mais rendosa plantação. Talvez o tempo seja este.

Autor: João Damasio é estudante de jornalismo.

4 comentários:

  1. Mais uma vez, sinto-me mais do que contemplada em suas palavras. Só mesmo o melhor estudante de jornalismo do Planeta (sem exageros rs) para contestar o mestre Boff.

    ResponderExcluir
  2. Me inspira uma resposta. Espero ter tempo em breve para escrevê-la. Abraço, Marcus

    ResponderExcluir
  3. Uau João!!! Você é muito bom meu amigo. Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  4. "Boff, você, um dos mais femininos dos homens (...)" essa frase sua é interessante. Por causa dela vou fugir do tema de sua postagem em meu comentário.

    Acredito que nossa sociedade fixou com tanta veemência características próprias a determinados biotipos, que mulheres são chamadas de Macho e homens de mulherzinha.

    Isso parece ser superficial, mas é tão forte que não se faz idéia.

    Até mais.

    ResponderExcluir

Digite seu e-mail aqui para receber atualizações do Descaradamasio. A média é uma postagem semanal.